Entre os goleiros, o apelido Neneca remete a algo positivo. E isso porque esse apelido é uma homenagem a um grande goleiro que faleceu em 2015. O Neneca “original” jogou por América MG, Fluminense, Bragantino, Guarani e Náutico. Neneca foi campeão brasileiro com o Guarani em campanha histórica.

Anos depois, outro goleiro ganhou o apelido de Neneca. Welesley Antonio Simplicio, também ex-goleiro e atualmente preparador, “carregou” o nome com orgulho. Para ele, o novo “Neneca” tem tudo para fazer história no futebol brasileiro:

“Ele tem um estilo único. É muito alto e rápido, é difícil encontrar aptidões assim. Comparar é complicado, mas ele lembra o Manga pelos braços longos. Tem um futuro muito brilhante pela frente. Se continuar humilde e corajoso em campo, não vai demorar muito para ele sair do país”, comentou.

Welesley comentou também sobre a responsabilidade que Hugo tem em suas costas ao entrar em campo tão novo e precisar representar uma nação de mais de 40 milhões de torcedores:

“Quando você entra em campo, são milhões que choram e que não comem se você perder. Eu tinha 14 anos e estava vendo um gol do Adilio contra o Vasco. Dois meses depois, eu estava entre eles. Tive o prazer de jogar só com craques. Aldair, Zico, Mozer, Sócrates, Leandro, Leonardo. Se você soubesse o que era o Leandro jogando”, finalizou.

Hugo Souza entrou em campo pelo Flamengo e conquistou a confiança da torcida rapidamente. O goleiro é seguro, sai bem do gol e mostra um potencial realmente impressionante. Precisando apenas talvez, focar mais na saída com os pés.

Leia também: Jovem é afastado do Flamengo por indefinição do contrato