terça-feira, setembro 29, 2020
Início Notícias Para Capelo, grande time faz Flamengo cobrar mais pelo ingresso

Para Capelo, grande time faz Flamengo cobrar mais pelo ingresso

Torcida do Flamengo pedindo ingressos mais baratos na Ilha do Urubu – Foto: Gilvan de Souza

SPORTV:
A discussão sobre a medida tomada em março pelo prefeito de Belo Horizonte,
Alexandre Kalil, ao vetar em março projeto de lei que determinava que 30% dos
ingressos de qualquer evento esportivo fossem vendidos a preços populares, vem
causando polêmica. No “Redação SporTV” desta sexta, Kalil,
ex-presidente do Atlético-MG, voltou a afirmar que o preço das entradas no
estádios da cidade (Mineirão e Independência, principalmente, onde jogam Galo,
Cruzeiro e América-MG) já são acessíveis. 

O
apresentador André Rizek e os comentaristas PC Vasconcellos e Sérgio Xavier
Filho divergiram da opinião de Kalil e ouviram também o jornalista Rodrigo
Capelo, da revista “Época”, acostumado a se debruçar aos números no
futebol no seu dia a dia. Segundo Capelo, os argumentos de Kalil de que os
ingressos no Brasil todo já são baratíssimos – “O futebol não é para quem
não tem dinheiro”, também afirmou – não estão de acordo com a atual
realidade brasileira.
– Se o
Kalil estivesse na Inglaterra, estaria tudo certo. A realidade que ele
comenta… Na Inglaterra, os estádios estão mais de 90% tomados a temporada
inteira. O que acontece? O ingresso sobe o preço, e realmente tem uma
elitização. A camada mais pobre da população está alijada do estádio. Mas por
uma questão mercadológica: o estádio está cheio. Não é assim no Brasil. Aqui a
média de ocupação é de 40 por cento, 30 por cento. Não faz sentido debater
elevar muito o preço do ingresso quando a maior parte do estádio está vazia.
Essa parte vazia do estádio tinha que ser ocupada, sim, pela camada mais pobre
da população. O raciocínio do Kalil não está errado. O que está errada é a
realidade que ele está debatendo.
Capelo
fez questão de enfatizar que nem na Europa inteira se aplica o exemplo citado
por Kalil de elitização dos preços dos ingressos. Na verdade, só na Inglaterra.
Ainda lembrou que no país detentor do último título mundial a situação é bem
diferente.
– O Kalil
estrá falando da Inglaterra. Ele mencionou o mundo inteiro, a Europa inteira…
Os alemães têm uma filosofia diferente. Clubes como o Bayern e o Borussia, que
poderiam cobrar mais caro, têm ingressos mais baratos sim, uma filosofia
diferente da inglesa. O Kalil tem um raciocínio correto para a Inglaterra. E a
gente tem que também dimensionar o preço do ingresso aí: a segurança e a
qualidade do espetáculo são mais importantes que o ingresso. Enquanto nós
tivermos estádios com briga, com morte, isso vai afastar o torcedor mesmo que o
ingresso seja a R$ 5.
 Rizek mostrou alguns dados de ocupação nos
estádios brasileiros. Na Libertadores, por exemplo, torneio mais importante e
badalado, com a média de ingresso a R$ 50, a ocupação dos estádios é de 64%. No
Brasileirão, com média da entrada a R$ 28, cai para 40%; Copa do Brasil, a R$
30, 30%; e Sul-Americana, a R$ 28, também a 30%.

Quanto não custa uma cadeira vazia? De cada 10, seis estão vazias no
Brasileiro, por exemplo. Na Copa do Brasil e Sul-Americana, de cada 10 lugares,
sete estão vazios – afirmou Rizek.
O
comentarista PC Vasconcellos aponta, tal como Capelo, outros entraves para a
elitização do preço dos ingressos .
– A
classe alta não está indo a estádio por uma série de motivos. Os estádios
brasileiros não oferecem conforto e segurança. Outra coisa que não se pode
ignorar é que o Brasil, no momento, tem 12 milhões de desempregados. A imagem
que o futebol tem hoje de chegar e sair dos estádios é uma imagem de violência.
Não é uma imagem de tranquilidade. Basta voltar duas semanas no tempo para ver
o que aconteceu em São Januário, no final de jogo e pós-jogo entre Vasco e
Flamengo.
Rodrigo
Capelo lembra que o preço dos ingressos no futebol brasileiro começou a subir
mais depois da disputa da Copa de 2014 no Brasil, principalmente pelo fato de
terem sido feitos altos investimentos na construção de estádios mais modernos.
O jornalista vê também, no momento, três clubes brasileiros com preços de
ingressos na média considerados altos.
– Logo
depois da Copa do Mundo de 2014, o preço do ingresso teve um aumento
considerável porque as arenas eram novas e as operadoras estavam tentando
fechar a conta.  A realidade hoje é que
pouquíssimos clubes têm um tíquete médio tão alto assim. Palmeiras, Flamengo e
Corinthians têm preços mais caros sim. Os outros clubes não têm ingressos tão
caros. Ingresso na faixa de R$ 20 a R$ 30 não é um ingresso caro. O que impacta
basicamente o preço do ingresso? A qualidade do espetáculo e a quantidade de
lugares dentro do estádio. Um clube como o Flamengo, que tem uma qualidade de
espetáculo muito alta, um time de grande investimento, que tem grande
expectativa, mas tem um estádio pequeno (Arena da Ilha), naturalmente o preço
do ingresso vai aumentar.
O
jornalista citou também dois grandes clubes na linha inversa de Palmeiras,
Flamengo e Corinthians.
– É
diferente do caso do Cruzeiro e do São Paulo, por exemplo, que têm
arquibancadas muito grandes, muito espaço no estádio, mas têm uma qualidade de
espetáculo mais baixa.

MAIS LIDOS

Vitinho e Marcos Braz testam negativo para Covid-19

Nesta terça-feira (29), o atacante Vitinho testou negativo para o Covid-19. O resultado já foi enviado à Conmebol e o jogador pode ficar à...

Flamengo é a aposta do SBT para bater recorde de audiência

Após a rescisão de contrato da Rede Globo com a Conmebol, o SBT é a opção para transmissão de jogos em tv aberta. Nesta...

De volta? Diego Alves treina com bola no Ninho do Urubu

Diego Alves sofreu lesão no ombro na partida contra o Santos pelo Campeonato Brasileiro - onde a equipe acabou com um empate em 1...

Zico faz duras críticas a CBF por realização de Palmeiras x Flamengo

Em seu canal do YouTube, Zico, considerado o maior jogador da história do Flamengo, deu seu ponto de vista sobre tudo que envolveu os...