Para Mauro Cezar, Flamengo deveria “esquecer” o Maracanã.

Por: Fla hoje

Foto: Divulgação

FALANDO
DE FLAMENGO
: Por Mauro Cezar Pereira

Vale a
pena o Flamengo assumir o Maracanã? Seria entrar numa briga que envolve governo
do Estado do Rio de Janeiro, Odebrecht, Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos
de 2016, donos de cadeiras cativas, antigos parceiros do voluntariamente
extinto consórcio. Haveria o risco de perder domínio sobre o estádio ante
recursos de populares, Ministério Público, organizações outras. Teria de ser
respeitado o contrato firmado com o Fluminense, que tem direito a jogar lá por
mais 32 anos sem despesas, etc.
Aparentemente
não, realmente não vale a pena o Flamengo assumir aquilo. Primeiro porque não é
o Maracanã. Como diz o jornalista Lúcio de Castro, o velho estádio concebido
nos anos 1940 para a Copa do Mundo de 1950 contemplava todas as camadas da
sociedade, nas quais os rubro-negros são sempre maioria. Do pobre geraldino aos
arquibaldos, passando pelos que pagavam mais um pouco pelas cadeiras azuis, aos
mais abastados das especiais ou camarotes. Essa coisa que está lá desde 2013
não tem nada disso.
O
velho templo foi demolido impiedosamente sob a batuta de biltres que agiram
como o Talebã ao detonar, no Afeganistão, estátuas de Buda datadas do século
IX. O que ali surgiu é apenas uma asséptica arena padrão Fifa, com setores
pensados em público de Copa do Mundo. Gente com dinheiro. A casa do Flamengo
deve ser capaz de abrigar dos ricos aos pobres, mesmo que em alguns jogos
especiais essa balança penda para determinado lado, pelas leis de oferta e
procura que muitas vezes se impõem de maneira incontestável.
O New
Maracanan não é casa do Flamengo, não pesa, não intimida. Fator campo é muito
importante e ali ele não existe. Foi na volta para o espaço onde ficava o
verdadeiro Maraca que o time perdeu a chance de lutar pelo título brasileiro de
2016, ganhando seis pontos em 12 disputados. Na temporada anterior, fora rivais
cariocas, bateram os rubro-negros no palco da Copa 2014 Atlético Mineiro,
Internacional, Corinthians e Figueirense! Algumas derrotas constrangedoras,
como para corintianos e atleticanos, que pareciam em casa.
Para
assumir o New Maracanan o Flamengo precisaria de condições excepcionais, com
liberdade para arrancar cadeiras de trás dos gols e armar duas muralhas
rubro-negras, usar apenas o anel inferior em jogos menores, etc. Mas esbarraria
na (falta de) autorizações, da PM, concordância de parceiros… Sem o sinal verde
para tais ações, jamais alguém conseguirá adaptar a arena Fifa a ponto de
transformá-lo num estádio que tenha as características da maior torcida do
Brasil. Sem contar seus elevados custos de manutenção.
O que
fazer então? No curtíssimo prazo, jogar no estádio da Portuguesa, na Ilha do
Governador, como o Atlético faz no Independência. E ir ao Maracanã em partidas
de maior porte, avulsas, como o Galo faz com o Mineirão, seja lá quem for o
futuro administrador daquilo. Negociação jogo a jogo. Quem será louco de
assumir o New Maracanan e não querer o time mais popular da cidade jogando lá?
Paralelamente, trabalhar na construção de um estádio próprio, mais barato e
funcional, como existem na América do Sul e Europa.
Com €
80 milhões (cerca de R$ 267 milhões), o Espanyol abriu sua nova casa em 2009, o
Cornellà-El Prat, em Barcelona, para 40,5 mil torcedores. No mesmo ano, na
Alemanha surgiu a Augsburg Arena, onde cabem 30.660 pessoas por € 45 milhões
(R$ 150 milhões). De 2011, o Juventus Stadium comporta 41.254 tifosi e custou €
122 milhões (R$ 407 milhões). No ano passado o Peñarol abriu as portas de sua
nova cancha para 40 mil carboneros, o Campeón del Siglo, após mais de dois anos
em obras. Custou US$ 40 milhões (R$ 125 milhões).
Com R$
300 a R$ 400 milhões, sem superfaturamento, é possível erguer uma ótima casa
para 45 mil a 50 mil rubro-negros em algum ponto do Rio de Janeiro. Imaginemos
que 10 mil desses lugares sejam cadeiras vendidas por R$ 10 mil cada uma, pagas
em 20 parcelas de R$ 500. Isso já geraria R$ 100 milhões. Outros setores
poderiam ser comercializados, por cifras maiores ou menores. De acordo com a
procura, o projeto seria adaptado em meio à obra, com mais, ou menos, assentos
em setores de maior ou menor procura.
Se um
shopping center é projetado de maneira que um andar de estacionamento vira área
de lojas e outra garagem é construída em cima, por que o estádio não pode ser
bolado de forma que, aumentando a procura por camarotes ou cadeiras VIPS,
alterações ocorram nos primeiros anos? Um ajuste à demanda? Será tão difícil?
Ao mesmo tempo, a cancha rubro-negra teria setores realmente populares. Seria
pensada de forma que as organizadas, que puxam o grito, sejam estrategicamente
posicionadas.
Misto
de negócio e paixão, palco de jogos que gere receita e resultados, com tamanho
compatível com a procura real, factível, hoje. Se em 2016 o Liverpool ampliou
seu velho Anfield, que é de 1884, dos 45.276 para 54.074 torcedores, o que
impede um novo estádio projetado para, digamos, 45 mil, se necessário ter sua
capacidade ampliada para 50 mil, 60 mil? Nesse cenário, valem a pena os
esforços, o dinheiro despejado, o desgaste, o custo que a adoção do New
Maracanan pode causar? Aparentemente não.

MAIS LIDOS

Rei do Vexame: Renato Gaúcho vira alvo da torcida do Fla após vexame

O Palmeiras jogou na noite deste domingo diante do Grêmio, em jogo válido pela final da Copa do Brasil. O time paulista já tinha...

Abel Braga ainda reclama da arbitragem no jogo contra o Fla

Após vários trabalhos ruins seguidos, o técnico Abel Braga chegou sem muita expectativa no Internacional. Entretanto, ele conseguiu fazer um bom trabalho a seu...

Torcida se encanta com Ramon e mandam recado para Renê

O Flamengo jogou na noite deste sábado, diante do Macaé, em jogo válido pela 2ª rodada do Campeonato Carioca. O Rubro-negro conseguiu vencer com...

Rodrigo Muniz manda recado à nação após grande atuação; assista

O Flamengo jogou na noite deste sábado diante do Macaé, em jogo válido pela segunda rodada do campeonato carioca. O Rubro-negro foi a campo...