Primeira Liga vira estorvo para os clubes e fica próxima de fim.

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

ZERO
HORA
: Anunciada como embrião da união de clubes capaz de assumir, em um futuro
breve, a organização da principal competição nacional, a Primeira Liga se
desmantelou e agora contribui para um dos principais calos do futebol
brasileiro.

Com o
posicionamento político fragilizado pela luta dos integrantes por seus próprios
interesses, tornou-se um estorvo a apertar ainda mais um calendário que já
sofria com o acúmulo de jogos.
Quando
foi criada, no fim de 2015, a Liga foi saudada como a primeira iniciativa de
reunião dos clubes desde a implosão do Clube dos 13. O próprio nome, semelhante
ao da Premier League inglesa, maior caso de sucesso comercial de ligas de
futebol, dava ideia de que a intenção era chegar ao ponto de assumir as rédeas
do que hoje é o Brasileirão. A primeira edição do torneio, em 2016, seria uma
forma de marcar posição e mostrar força.
O
aspecto esportivo era algo menor. Hoje, a competição talvez seja o único elo na
frágil união que ainda existe entre os clubes.
— Há
uma sobreposição de datas, de calendários. É a principal situação, que força a
não disputar com os times principais — diz o presidente do Grêmio, Romildo
Bolzan, um dos idealizadores da Primeira Liga, ao justificar a escalação de
reservas em 2017.
Bolzan
não foge, porém, da questão política que reduziu a força da iniciativa:
— Há
um vazio político de capacidade de organização dos clubes brasileiros. É um
diagnóstico claro. A Primeira Liga era também a retomada de um canal para
recompor o debate interno. De sermos capazes de, maduramente, irmos muito além das
questões individualizadas dos clubes. Temos de entrar lá despidos das questões
dos clubes. Se entrarmos com os mesmos vícios de sempre, vamos morrer na praia.
Temos de ter o espírito de estar lá por acreditar em uma causa corporativa.
A
negociação do contrato de televisionamento da edição de 2017 gerou a mais
importante fissura na Primeira Liga. Os clubes acordaram cotas escalonadas, nos
moldes do que se faz no Brasileirão, em que equipes como o Flamengo, que têm
maior apelo popular, ganham mais. A dupla Atletiba, que receberia menos, não
aceitou. Argumentou que a liga visava, justamente, buscar uma distribuição mais
igualitária das verbas. Os paranaenses, então, se retiraram da competição.
A
divisão foi simbólica. O que se esperava ser um bloco unido em nome de um
futebol melhor e, esperava-se, contra os desmandos da CBF, rachou por dentro.
— Só
vai ter liga no Brasil quando os clubes chegarem a um consenso de que, nela, os
dirigentes não serão os executivos. O ideal é ter executivos independentes que
administram com o objetivo de gerar muito lucro para os acionistas, no caso, os
clubes. Políticos tomando conta de uma liga, é mais do mesmo — critica Amir
Somoggi, consultor de marketing e gestão esportiva.
Torneio pode ir para a pré-temporada
Somoggi
conta que chegou a apresentar aos dirigentes sugestões de como trabalhar a
imagem do torneio, de modo que ganhasse maior apoio popular. Lamenta, porém,
que suas ideias não tenham sido implementadas:

Ainda que a competição não fosse a mais valiosa, poderia ter engrenado com um
bom aparato de marketing e comunicação, geração de conteúdos digitais, criando
relevância fora de campo. É algo que a CBF não faz, que as federações não
fazem. Poderia ser introduzida a ideia de que cada ingresso vendido seria parte
da revolução do futebol brasileiro.
Agora,
com a liga fraturada e clubes obrigados a jogar em noites consecutivas, como o
Inter, os dirigentes buscam alternativas para que a Liga, que não tem ajudado,
ao menos não atrapalhe. Gilvan Tavares, atual presidente da Primeira Liga, já
cogitou a ideia de transformar o torneio em uma competição curta de
Pré-temporada, nos moldes da Florida Cup,
em uma sede única.
— A
prioridade agora não deve ser tentar parar de pé um torneio tão frágil. Temos
de discutir a criação de uma associação forte de clubes, como temos na Europa —
defende Eduardo Tega, executivo da Universidade do Futebol.
Bolzan,
porém, mostra-se aberto a debater a ideia. O presidente gremista ainda nutre
esperanças de que a Liga e, principalmente, a união de clubes que ela
representa, vá adiante.
— Acho
que a formatação da parte esportiva está em aberto, mas o torneio, desde o
início, era algo secundário. Achava mais importante a organização política.
Espero que a gente possa construir esse diálogo no futuro — conclui o
presidente do Grêmio.

Por: FlaHoje

MAIS LIDOS

Sem pena: Ceni detona a arbitragem após empate com o Racing

O Flamengo jogou na noite desta terça-feira diante do Racing, na Argentina, em grande confronto válido pelo jogo de ida das oitavas de finais...

Gerson ‘peita’ argentinos em treta e leva flamenguistas à loucura

O Flamengo jogou na noite desta terça-feira diante do Racing, em jogo decisivo das oitavas de finais da Libertadores da América. O Rubro-negro até...

Desfalque de última hora; mudança na escalação

O Flamengo divulgou a escalação para o jogo contra o Racing pela Libertadores da América, entretanto, de última hora, o Rubro-negro divulga que terá...

Tá chegando a hora! Confira a escalação do Mengão

O Mengão vai a campo daqui a pouco na Argentina enfrentar o Racing em confronto da Libertadores. A equipe comandada por Rogério Ceni vai...