Profissional crê que Flamengo irá muito além dos 100 mil sócios.

Torcedor do Flamengo no Estádio Mané Garrinch, em Brasília – Foto: Júlia Mesquita

LINKEDIN:
Por André Monnerat

Foi se
não me engano na madrugada de sexta pra sábado que o Flamengo bateu a marca de
100 mil sócios-torcedores no ranking publicado no site do Movimento por um
Futebol Melhor. Não sou grande fã desse ranking – os critérios de cada clube na
contabilização são muito diferentes, assim como os próprios programas, e ele
acaba estimulando uma comparação de laranjas com bananas, embora também tenha
sua importância na comunicação -, mas claro que fiquei feliz com a marca.
Estive
diretamente ligado ao programa nos últimos quatro anos; primeiro como Gerente e
depois Diretor de Conta na CSM entre 2013 e 2014; e depois como Gerente de
Programas de Relacionamento e Marketing Digital no Flamengo, até pouco menos de
um mês atrás. Não peguei desde o início-início mesmo – o produto já havia sido
desenhado quando cheguei lá -, mas participei de quase toda essa história.
Embora
não se deem muito conta disso, principalmente no Brasil, o negócio dos clubes
de futebol é produzir conteúdo de entretenimento – não é um negócio tão
diferente em sua natureza dos da Disney ou do Rock in Rio, por exemplo. O que
os programas de sócio-torcedor se propõem a oferecer é uma conexão diferenciada
dos torcedores com este conteúdo, justificando o pagamento de uma mensalidade
que se torna receita recorrente para o clube. Quanto maior o interesse geral do
público pelo conteúdo produzido – no caso: jogos, competições, ídolos e as
histórias geradas ao redor -, maior a chance do público considerar se fidelizar
em torno dele. E aí cabe ao clube aparecer com a oferta certa para isso, pelo
canal certo, de forma eficiente, para impulsionar o resultado.
No
caso do Flamengo, mesmo com os grandes desafios gerados pelas mudanças
constantes de local dos jogos, o Nação Rubro-Negra já é maior que qualquer
patrocínio; como fonte de receita isolada, fica atrás apenas dos direitos de
TV. E administrá-lo é como gerir uma empresa: envolve comunicação, força de
venda, TI, atendimento, operação logística.
O
Flamengo saiu atrás de outros clubes – foi o último dos grandes a ter um
programa do gênero, a partir de 2013 -, mas aprendeu bastante desde o
lançamento. Há muitas particularidades com que se lidar quando se monta um
programa de fidelidade ligado ao futebol, ao modo dos clubes se organizarem
internamente e às incertezas dos placares dentro de campo. Mas muita coisa
mesmo é comum a qualquer produto de assinatura e se ganha bastante aprendendo
com quem faz sucesso em outros segmentos.
Claro
que o resultado depende do desempenho do time, do estádio em que vai jogar, do
calendário do futebol. Mas depende também da eficiência do funil de conversão e
do trabalho com mídia online, tanto paga quanto orgânica. Netflix é um
benchmark, quem faz bem e-commerce também é. Em dado momento buscamos
consultoria de gente que trabalhou com grandes players de varejo online e
passamos a ter um acompanhamento diário de cada fonte de aquisição, em cada
etapa.
Vimos
que é possível diversificar os canais de venda para além do online. O
televendas e os vendedores nas lojas oficiais do Flamengo se tornaram
importantes. E aí também não é tão diferente de trabalhar com força de venda em
outros segmentos: demanda proximidade, treinamento constante, ações de
incentivo, criação de ofertas.
Meio
de pagamento é algo crítico, não só na aquisição como na manutenção do
sócio-torcedor. Tem muita gente por aí especializada em pagamentos recorrentes
com conhecimento a dividir sobre gateways, adquirentes e etcéteras para
diminuir taxas de erro, antecipar problemas, ser eficiente na recuperação.
Gastamos um bom tempo quebrando cabeça com isso também.
Mas é
claro que dá pra se aproveitar do sentimento que o torcedor tem pelo clube, que
é diferente da relação com outros tipos de produto. Aprendemos também como
fazer ações recorrentes com member-get-member que fizeram diferença no
resultado.
Sempre
há onde evoluir e como melhorar. O aplicativo mobile do programa saiu
recentemente e é uma ferramenta importante a ser trabalhada para aumentar o
engajamento com o produto. CRM para além da automatização de algumas mensagens
pode fazer diferença (e na verdade os clubes no Brasil, de modo geral, não
sabem nem dizer quantos são os seus compradores de ingresso, quantos vão em
todos os jogos, quantos são eventuais… – o Flamengo passou a ter oportunidade
de aprender isso a partir deste ano, podendo assumir toda a operação de
ticketing de suas partidas). Dá pra ter e desenvolver ideias boas em torno de
gamificação também.

ainda um grande desafio colocado: em todos os clubes, o produto gira muito em
torno da fidelidade no estádio; como fazer para trazer pra dentro o torcedor
que mora longe e não tem oportunidade de ir pessoalmente aos jogos com
frequência? Não há nenhum grande caso de sucesso deste tipo no Mundo – mesmo
clubes globais têm suas bases de sócios bastante localizadas em suas cidades,
com programas fortemente ligados à aquisição de season tickets -, mas encontrar
uma fórmula para isso seria ainda mais importante para o Flamengo, pelo tanto
que sua torcida é espalhada por todos os estados brasileiros.
O
caminho, além de buscar parcerias com empresas dispostas a gerar negócios
oferecendo vantagens aos sócios-torcedores e fazer ações nas cidades por onde o
time passava para atuar como visitante, foi procurar oferecer exclusividade e
facilidade também na experiência que o torcedor tem nos demais pontos de
contato com o clube além do estádio, com benefícios nos momentos de ver os
jogos pela TV, de se informar sobre o time, de comprar a camisa e outros
produtos oficiais. Não é tão fácil, pois são canais que não são administrados
diretamente pelo clube e têm suas lógicas próprias de negócio. Mas hoje o
percentual de sócios-torcedores de fora do Rio já é muito relevante e a receita
gerada por eles tem a ordem de grandeza de um patrocínio secundário de camisa,
mas todo mundo sonha com mais.
Quando
deixei o clube, havia ao menos duas novas apostas já em andamento, embora em
estágio inicial, para potencializar o resultado nos demais estados sem demandar
riscos maiores com grandes investimentos: o projeto de Embaixadas e Consulados,
que passou a ser diretamente ligado ao programa para criar canais locais de
engajamento a partir de seus torcedores mais apaixonados, que passam a se
tornar representantes; e a entrega de conteúdo exclusivo em vídeo online, em
linha com iniciativas de diversos clubes europeus, como Bayern e Manchester
United – tendo como diferença colocar isso ligado ao programa de sócios e não
como produto totalmente isolado. Em ambas, há muitos testes e muito trabalho de
formiguinha a ser feito para validar e ajustar as ideias e ir aumentando o
alcance. Mas há desafio não só no desenvolvimento do produto em si, mas também
na sua comunicação: não é fácil impactar o suficiente os torcedores espalhados
por todas as regiões do país sem um investimento mais relevante.
Hoje
tem muita gente boa envolvida com este trabalho, na Gávea e nos parceiros –
CSM, Esporte Interativo, AmBev, Lojas Oficiais do Flamengo, HPMais, Cobrart e
outros também foram bastante importantes na trajetória. Realmente acredito que
ainda vão bem mais longe que estes 100 mil.
Por: FlaHoje

MAIS LIDOS

Desfalque de última hora; mudança na escalação

O Flamengo divulgou a escalação para o jogo contra o Racing pela Libertadores da América, entretanto, de última hora, o Rubro-negro divulga que terá...

Tá chegando a hora! Confira a escalação do Mengão

O Mengão vai a campo daqui a pouco na Argentina enfrentar o Racing em confronto da Libertadores. A equipe comandada por Rogério Ceni vai...

Renata Fan crava finalistas da Liberta; torcida do Fla reage

A apresentadora do Jogo Aberto, Renata Fan, agitou a torcida do Mais Querido após opinar quais clubes vão disputar a final da Libertadores, no...

O que mudou no Flamengo em 15 dias de Rogério Ceni?

Rogério Ceni tem apenas 15 dias de Flamengo. Pode parecer pouco tempo mas nesse período o treinador já precisou lidar com uma eliminação na...