Que a primeira impressão fique no Flamengo.

Por: Fla hoje

Diego comemorando gol pelo Flamengo com Arão e Rodinei – Foto: Humberto Sales/Gazeta Press

ESPN
FC
: Por Marcos Almeida, do Nosso Flamengo

¡Que
maravilla! Finalmente, el Mengón debutó en el año y goleó a los viejitos de
Buena Vista. Opa, foi mal. É que tá difícil saber se o idioma ideal é o
português ou o castelhano, carregado com o sotaque do Peru. Falemos, então, em
rubro-negro. Falemos ou cantemos. Há boatos de que tem gente por aí ressurgindo
o funk da Tati Quebra Barraco e mandando ver com uma nova letra: “Trauco é bom,
Trauco é bom”. Calma, minha gente, foi só um jogo pelo Mengão.
Mas
que jogo! Seguro defensivamente e preciso na saída de bola, Miguel Trauco foi o
destaque do Fla no primeiro tempo, seguido por Rafael Vaz. E o que nos enchia
de esperança encheu de alegria, quando – de longe – ele acertou um cruzamento
na cabeça do compatriota Paolo Guerrero. Primeiro gol do Mengo em 2017.
O 1 a
0 mascarava o ruim primeiro tempo, e o placar fez jus ao futebol apresentado em
uma jogada similar. À la Trauco-Guerrero, o Boavista chegou ao empate. Entre um
gol e outro, ainda deu tempo de nosso estreante lateral dar um susto. Entrada
dura, cartão amarelo, o único para o Fla na partida. Merecido, justo. Vermelho
seria exagero.
Fomos
para o intervalo com uma sensação ruim. O que mais incomodava, no ano passado,
estava de novo ali, latente. Meio-campo despovoado e pouquíssimas chances
criadas. Criada criada mesmo, só a do gol. Com um Willian Arão afoito, Diego
voltava pra buscar a bola e era o único responsável pela armação. Adryan
ficaria no banco, mas teve de entrar de última hora no lugar de Éverton, com “lesão
estomacal”.
Cabiam
a Adryan e Mancuello as tais pontas que hoje parecem obrigatórias no Clube de
Regatas do Flamengo. Nenhum dos dois se encontrou. Pelo contrário, ficaram
escondidos. Para tentar auxiliar Diego, Guerrero se movimentava bastante. Sem êxito.
No lugar de Fernandinhos e Cirinos – que a muitos desagradavam – estavam um
cara contratado como volante e um meia que não deu certo nem na segunda divisão
inglesa. Surgia, mais do que nunca, a dúvida: Será que Zé Ricardo é incapaz de
escalar o time com outra formação?
A
resposta, no começo do segundo tempo, foi desanimadora. Quem pressionava era o
Boavista, se aproveitando – mas nem tanto – das falhas de nossos jogadores
(Réver não consegue passar 90 minutos sem dar uma entregada). Enquanto a bola
não chegava na frente, Mancuello e Adryan foram se soltando. Flutuavam mais,
invertiam os lados. Até que a bola chegou.
Chegou
com Trauco. Dele para Guerrero, que tocou em Mancuello, que deixou Trauco na
cara do gol. Melhor que o passe do argentino, só a finalização do peruano.
Golaço em castelhano, dos a uno Mengón. Dali em diante, só deu Flamengo.
Adryan
cansou, e aí a gente volta a falar em Zé Ricardo. Sem Éverton e Gabriel,
pôde-se imaginar que fosse botar Cafu em campo. Optou por Rodinei. Um tanto
surpreendente, pra lá de acertado. Os pontas de Zé têm como principais funções
a marcação e o apoio pelos lados, sempre com velocidade. Tarefas muito
parecidas com as de um… lateral.
Bem em
2016, Rodinei perdeu lugar no time quando se lesionou. Entrou Pará, tão bem
quanto, se não melhor. Nesse sábado, Cirino foi acompanhar o nascimento do
filho, Gabriel não estava apto a jogar, Éverton passou mal e Adryan sentiu a
fadiga. Talvez o destino quisesse jogar uma luz no 4-2-3-1 de Zé Ricardo.
Querendo ou não, conseguiu.
Dos
pés de Pará e Rodinei nasceu o terceiro gol do Flamengo. Outra testada de
Guerrero. O quarto poderia ter vindo diversas vezes, duas delas com o próprio
Rodinei. Veio na categoria de Diego, após mais um passe de Trauco.
Arão
se achou na segunda etapa, Rômulo teve estreia discreta – justo para um volante.
Muralha salvou a pátria no único lance com bola em que Trauco poderia ter ido
melhor. Não tem problema, o cara jogou demais. Um passe para gol, um
cruzamentaço e um toque cheio de classe para deixar sua primeira assinatura na
rede em rubro-negro.
A impressão
que fica é de que a ala esquerda está bem resolvida (ainda precisamos
determinar o reserva). E a direita pode estar também. A dupla Pará e Rodinei
funcionou, merece ser testada novamente. É tempo de usarmos Carioca e Primeira
Liga para entrarmos com o melhor time possível na Libertadores.
Enquanto
ela não chega, Berrío vai desembarcar, Conca continuará a recuperação e o
Flamengo seguirá em turnê por aí. Depois de ontem, pode marcar jogo em Lima que
o Mengão estará em casa.

MAIS LIDOS

Salário gigante de Rafinha no Fla irrita torcida; veja os comentários

O Flamengo tem hoje um dos grandes elencos do futebol sul-americano. Porém, o Mais Querido continua atento ao mercado da bola, podendo fazer mais...

Jorge Jesus não esquece do titulo do Mengão e surpreende

O Flamengo ganhou na última semana o titulo do Campeonato Brasileiro. O Rubro-negro carioca conquistou o seu oitavo titulo do Brasileirão, algo que foi...

Vasco estuda proposta para contratar atleta do Flamengo

O Flamengo tem hoje o principal elenco do futebol sul-americano. Com tantos atletas de qualidade a disposição, o time carioca costuma não dar muito...

Flamengo x Nova Iguaçu ao vivo

Flamengo x Nova Iguaçu ao vivo: O Flamengo joga na noite desta terça-feira na estreia do Campeonato Carioca. O confronto terá transmissão do Facebook...