São Paulo repete o Flamengo ao adotar a gambiarra como técnico

Não tem nem 20 dias e o presidente do São Paulo, Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, dizia no Rio de Janeiro para este blogueiro e colegas que o clube tinha histórico de dar estabilidade a técnicos. Nesta quinta-feira, o mesmo dirigente anunciou um plano pelo qual terá três treinadores em seis meses: o demitido (ou recolocado) André Jardine, o interino Vagner Mancini e o futuro Cuca se a saúde assim permitir – fica aqui a torcida por sua recuperação.

Foto: Divulgação

Jardine era um técnico da base que subiu como auxiliar aos profissionais e foi efetivado no ano passado. Está claro que, independentemente de suas qualidades e defeitos que ainda podem lhe render uma boa carreira, não estava preparado para o cargo. Mas foi nele que o São Paulo apostou em um temporada que tinha uma decisão logo no início de fevereiro. Perdida a Libertadores, ele se foi.

À procura de um técnico, o São Paulo optou por Cuca só que a saúde não lhe permite assumir agora e Mancini assumirá como interino. O mesmo Mancini que foi contratado como coordenador e não era nem cogitado para treinador pela “diretoria-que-tem-histórico-de-segurar-técnicos”. Há a promessa de que ele volta a ser coordenador depois. Soa como uma gambiarra e é. (Aqui não se trata da qualidade de Mancini, mas da forma como foi escolhido)

A diretoria são-paulina poderia ter aprendido com a experiência do Flamengo no ano passado, clube que também optou por improvisar no cargo de técnico. Ao perder o colombiano Rueda para a seleção chilena no início de 2018, o clube não sabia quem contratar. Optou por efetivar Paulo Cesar Carpegiani que fora contratado inicialmente para ser… coordenador técnico.

Uma eliminação no Carioca tornou breve a passagem do treinador Carpegiani que nunca se tornou o coordenador Carpegiani. Adiado o problema durante dois meses, o Flamengo voltava a procurar de técnico. Houve quem não quisesse, houve quem a torcida não quis. Sem um nome, quem assumiu foi Barbieri, auxiliar de Carpegiani. Mais um auxiliar que ascendia. Aparentemente, ser coordenador ou auxiliar em clubes no Brasil é tipo ser vice-presidente da república: há grande chance de assumir a prancheta ou a faixa.

Deu certo durante um bom período do ano em que o Flamengo jogava bem e foi líder do Brasileiro, Barbieri se transformou de interino em efetivo e acabou demitido no final pela queda de rendimento. Assumiu Dorival Jr para durar mais uns meses e dar lugar a Abel Braga em 2019. Foram quatro técnicos na temporada rubro-negra do ano passado, o São Paulo já garantiu três ainda em fevereiro.

Por: Rodrigo Mattos

Compartilhe

O FlaHoje é um portal eletrônico de notícias voltado exclusivamente os torcedores do Flamengo. Nosso objetivo é mostrar as principais notícias com qualidade, rapidez e imparcialidade, focando notícias do nosso time favorito, o Rubro-Negro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.