Saudosismo, o inimigo da liberdade no estádio

Por: Fla hoje

Torcedores do Flamengo tirando selfie e mexendo no celular – Foto: Gilvan de Souza

GOAL:
Por Fernando Martinho

Saudosismo
se confunde com nostalgia, mas não é a mesma coisa. Saudosismo leva a
conclusões sobre o presente com argumentos e juízos de valor que separam o
certo do errado. “Sempre foi assim”, costumam dizer. Sempre foi desde quando se
começou a ser feito, ora.
Selfies,
câmeras ligadas na hora do pênalti, cachecóis, cânticos argentinos, paletas,
cappuccino. Nada disso existia. No entanto, durante muito tempo, crianças,
mulheres, idosos, e “cidadãos de bem” foram excluídos dos estádios.
Durante o final dos anos 80, toda a década de 90 e metade dos 2000, estádio de
futebol era um lugar sujo, escuro, fedido e violento. Sempre foi assim? Não,
antes não era. Torcidas eram mistas, e depois se separaram, por segurança e por
interesse próprio. O torcedor tem o direito de se reunir junto aos seus e se
manifestar como quiser, com bandeiras, faixas, papel picado, ficar em pé, ou
sentado, ou ficar ao lado de um torcedor rival, amigo do trabalho, da rua,
enfim.
Assim
era o Maracanã. Assim foi. Existia a arquibancada, as cadeiras e a geral. Com a
repaginação para os jogos Pan-Americanos de 2007 e o estádio deixou de ter a
geral, mas conseguia albergar todo mundo. Pobres, ricos, brancos e negros. O
torcedor podia ficar em pé em enormes setores da arquibancada e ter um
“conforto” maior em outros setores, podendo inclusive ficar junto de
torcedores rivais.
Mas
não haviam selfies. Isso não pertencia ao futebol. Afinal não existiam os
dispositivos móveis e não por serem objetos externos ao futebol. Hoje, o
Maracanã praticamente não difere um setor do outro. Talvez sequer exista
Maracanã, vai saber, mas existe a Ilha do Urubu, o Nilton Santos e São
Januário. E hoje, as pessoas têm smartphones. O saudosismo leva a uma conclusão
míope. Se a pessoa pagou pelo seu ingresso, ela tem direito a usar aquilo que
bem entender. Ela pode tirar foto, filmar, gritar no gol que não viu por estar
filmando o show da torcida. E também pode ficar quieta o jogo todo, não cantar,
e observar cada detalhe tático do time e comemorar contidamente o gol.
Não
pode existir uma cartilha. A liberdade é colocada em xeque quando julgam como
se deve torcer. Quem quiser tirar selfie, que tire, e se isso afeta na sua
vida, procure um especialista, você está com problemas.

MAIS LIDOS

Rafinha surpreende ao falar sobre Isla, titular do Flamengo

Rafinha está bem próximo de retornar ao Flamengo. O jogador deixou o Rubro-negro no mês de agosto do ano passado, quando foi para o...

Após vexame, Renato Gaúcho volta a falar do Flamengo e revolta torcedores

O Grêmio jogou na noite deste domingo diante do Palmeiras, em jogo válido pela final da Copa do Brasil. O time gaúcho não conseguiu...

Rei do Vexame: Renato Gaúcho vira alvo da torcida do Fla após vexame

O Palmeiras jogou na noite deste domingo diante do Grêmio, em jogo válido pela final da Copa do Brasil. O time paulista já tinha...

Abel Braga ainda reclama da arbitragem no jogo contra o Fla

Após vários trabalhos ruins seguidos, o técnico Abel Braga chegou sem muita expectativa no Internacional. Entretanto, ele conseguiu fazer um bom trabalho a seu...