domingo, setembro 20, 2020
Início Notícias Será que minha mãe tinha razão?

Será que minha mãe tinha razão?

Foto: Divulgação

REPÚBLICA PAZ E AMOR: Por Jorge Murtinho

Minha
mãe nunca se interessou por futebol. Entretanto, enquanto se desdobrava para
impor o mínimo de disciplina àquela dúzia de familiares e deixar a casa em
ordem, ela pescava uma ou outra discussão futebolística e vez em quando se
arriscava em alguns poucos palpites. Minha mãe desconfiava da vantagem ou
desvantagem de jogar em casa ou na casa do adversário, e indagava: se a bola é
igual, se o campo é do mesmo tamanho, se é lá dentro que as coisas se decidem,
que diferença faz o jogo ser no Rio ou na Cochinchina?
Sabendo
que qualquer tentativa seria vã, meu pai e meus irmãos sorriam amarelo e saíam
de fininho. Mais paciente, eu tentava explicar que o apoio da torcida servia
como combustível extra para a autoconfiança dos anfitriões e intimidava os
visitantes, que juiz e bandeirinhas costumavam sucumbir às pressões, etc. Minha
mãe não se dava por vencida e, teimosa, mantinha sua contrariedade.
Juro
que às vezes eu também não entendo, mas o futebol quase nunca é racionalmente
explicável e facilmente compreensível. Fechando seu ciclo de jogos em casa na
fase de grupos, o Flamengo conseguiu sua terceira convincente vitória. E o
curioso é que, na condição de visitante, o time também jogou bem melhor que
seus dois adversários, só que perdeu as duas partidas. As discutíveis
explicações que eu tentava dar à minha mãe continuam valendo, mas por que a
bola entra aqui e não entra lá é algo que permanece sob certo mistério.
Para
quarenta milhões de pessoas que se habituaram, pelo menos nessa década, a ver o
Flamengo tenso e desorientado em momentos embaçados dos jogos, foi bacana
observar como o time reagiu após o empate da Universidad Católica. Tomou o gol
na segunda jogada perigosa do adversário – que eu me lembre, foram apenas duas
durante toda a partida – e partiu atrás da vitória com serenidade, como se ela
fosse consequência natural do eficiente futebol jogado por um time muitíssimo
bem arrumado dentro de campo.
Ainda
temos problemas – que não serão resolvidos se insistirmos em tapar o sol com a
peneira – e quem acompanha o blog sabe o que penso a respeito de certos
jogadores e de algumas escolhas técnicas. Porém, não faz meu estilo acreditar
que estou sempre certo, e prefiro mil vezes errar com o Flamengo ganhando do
que acertar com o Flamengo perdendo. Rafael Vaz voltou do banco jogando sério e
parece ter se convencido de que jamais será Frank de Boer. Considero-o um
zagueiro lento, da mesma forma que um dos pontos fortes de Réver não é a
velocidade. Mas, e daí? O Atlético Mineiro levantou a Libertadores de 2013 com
um miolo de zaga lento – Leonardo Silva e Réver. Aliás, o Atlético Mineiro
levantou a Libertadores perdendo, na semifinal e na final, os dois jogos de ida
por dois a zero.
Contra
a Universidad Católica, o Flamengo esbanjou organização. Não acho que levamos o
gol por culpa de fulano ou sicrano: às vezes esquecemos que do outro lado estão
adversários que, mesmo não sendo o Real Madrid ou o Bayern de Munique, têm lá
os seus méritos e querem vencer tanto quanto nós. Além do espírito coletivo e
do equilíbrio demonstrados dentro de campo – sobretudo, repito, após o gol de
empate, situação que costumava nos transformar na conhecida farândola do
Capitão Nascimento –, Guerrero fez uma partida como há muito eu não via um
atacante rubro-negro fazer, Willian Arão, Pará e Rodinei foram muito bem, e
houve o capítulo especial chamado Márcio Araújo.
Em 29
de novembro de 2016 publiquei um post crítico dizendo que aquela era a última
vez em que eu falava do Márcio Araújo. Mas ele está merecendo. O conceito
permanece: por mais que desarme, cubra e corrija falhas alheias, tenho imensa
dificuldade em aceitar meio-campista que não participa das ações ofensivas – eu
e os maiores times do futebol atual, que já abdicaram desse tipo de jogador.
Porém, é justo reconhecer que Márcio Araújo tem jogado bem desde a partida
contra o Santos, na penúltima rodada do Campeonato Brasileiro do ano passado,
inclusive se mostrando – pouco, é verdade – mais confiante nas ainda raras
infiltrações.
Não
será fácil encarar o ressuscitado San Lorenzo – ter o Papa como torcedor não
deixa de trazer suas vantagens – no estádio El Nuevo Gasómetro. Mas, apesar de
ainda precisarmos evoluir em tantos aspectos, jogos como o de ontem nos deixam
confiantes de que o Flamengo vai chegar. E acho que está na hora de provar que
minha mãe talvez tivesse razão.

MAIS LIDOS

Quatro jogadores do Flamengo testam positivo para covid-19

A onda de notícias ruins não acabam no rubro-negro. Segundo o repórter Vene Casangrande, quatro jogadores do Flamengo testaram positivo para covid-19. E todos...

Thuler titular: Torcedores pedem oportunidades ao zagueiro

O Flamengo vem de uma dura derrota para o Independiente del Valle. No jogo contra os equatorianos, pela Libertadores da América, o sistema defensivo...

Perfil diz que Jorge Jesus aceitaria retornar ao Fla num cenário

O torcedor do Flamengo estava torcendo para Dome Torrent conseguir fazer com que o Flamengo continuasse jogando um futebol de alto nível. Entretanto, isso não aconteceu....

Flamengo terá que abrir os cofres caso demita Domenec

Domenec Torrent está por um fio de ser demitido do Flamengo, uma nova derrota diante do Barcelona de Guayaquil será o fim precoce de...