• Início
  • Notícias
  • Sete anos depois, família de garoto que morreu em teste no Vasco ainda busca indenização
Publicidade

Sete anos depois, família de garoto que morreu em teste no Vasco ainda busca indenização

Publicidade

Em meio às primeiras e frustradas tratativas de indenizações de vítimas do incêndio que causou 10 mortes no CT do Flamengo, um caso que marcou o rival anda a passos lentos há sete anos. Wendel Junior Venâncio da Silva morreu em 2012 aos 14 anos quando fazia testes no Vasco, num centro de treinamento em Itaguaí, à época alugado pelo clube de São Januário.

Sete anos depois, o processo na Justiça está praticamente parado. Sem julgamento, sem qualquer perspectiva de eventual indenização à família do jovem aspirante a jogador de futebol nascido em São João Nepomuceno (MG), a última movimentação do processo é de outubro do ano passado.

– Vai haver perícia indireta. A perita vai analisar as provas colhidas. Se a falta de unidade de socorro próxima ao CT, a falta de equipamentos, essas coisas, contribuíram para a morte de Wendel. A tese de defesa do Vasco é que Wendel já tinha problema de saúde – diz Michel Alves, advogado da família.

Wendel era aluno da escolinha de Marco Aurélio Ayupe, ex-lateral do Vasco, em Nepomuceno. Em 9 de fevereiro de 2012, terceiro dia de testes no clube, o garoto sentiu-se mal com apenas 15 minutos de atividade no centro de treinamento pertencente ao empresário Pedrinho Vicençote. O laudo de necropsia apontou morte súbita por problemas cardíacos e bronquite crônica.

Wendel Junior morreu em 2012 — Foto: Reprodução

O Vasco foi denunciado cível e criminalmente. Na esfera criminal, o caso foi arquivado em janeiro de 2013 conforme avaliação do inquérito policial, que não viu responsabilidade criminal do clube ou do médico de São João Nepomuceno, Jerônimo Moura, que liberou o garoto para a prática de esportes.

No dia 8 de outubro de 2018, o juiz Adolfo Vladimir Silva da Rocha, da 1ª Vara Cível da Comarca de Itaguaí, decidiu pela remuneração de R$ 4.770 à perita Nadja Fragoso Albino. Ao avanço no processo, houve intervalo de um ano e cinco meses entre a concordância do judiciário para análise de prova pericial, o contato telefônico com a profissional e, enfim, à homologação da remuneração para a perita iniciar a análise das provas.

Leia o trecho do despacho de outubro de 2018 – a decisão anterior do deferimento da prova pericial e a nomeação da perita era de 31 de maio de 2017:

“… tendo em vista o silêncio das partes, apesar de devidamente intimadas, homologo os honorários pretendidos pela Perita do Juízo em (R$4.770,00 – quatro mil setecentos e setenta reais), por entender ser o mesmo justo, adequado e compatível com o trabalho a ser desempenhado. Intime-se a Perita para dar início aos trabalhos.”

Em 2013, pais pediam quase R$ 1 milhão de reparação

Velório de Wendel em São João Nepomuceno (MG)  — Foto: Fabiano Rocha / O Globo

Velório de Wendel em São João Nepomuceno (MG) — Foto: Fabiano Rocha / O Globo

Os pais de Wendel – Carlos e Rita, que têm mais dois filhos – ainda vivem em Nepomuceno. Os advogados da família calcularam danos materiais em cima da renda futura que o garoto poderia gerar até os 65 anos de idade. A estimativa levou em conta que mais de 90% dos jogadores de futebol no Brasil recebem, em média, dois salários mínimos. Pelos danos morais, o cálculo estipulado é de 200 salários mínimos. Somando os dois pedidos, o valor da ação indenizatória deve chegar a R$ 930 mil.

Após análise da perícia, o juiz de Itaguaí deve marcar audiência de instrução, ouvir testemunhas e, então, emitir alguma sentença sobre o caso. O advogado da família de Wendel espera que o magistrado do caso arbitre algum valor em caso de condenação do Vasco.

– Qualquer valor de referência que pusemos lá atrás já perdeu o valor. A família sabe que não é algo que vai trazer o menino de volta e não vai mudar a vida da família (o valor), mas quer ter resposta da justiça – comentou o advogado.

Por: Globo Esporte

Publicidade
Publicidade

© Copyright 20 Fla Hoje. Todos os direitos reservados
Website desenvolvido por Azarod