segunda-feira, setembro 28, 2020
Início Notícias Só esqueceram de convidar o futebol.

Só esqueceram de convidar o futebol.

Foto: Divulgação

REPÚBLICA
PAZ E AMOR
: Peguei o metrô na estação Tamanduateí. Junto comigo, pelo menos
duas dezenas de homens e mulheres com a camisa rubro-negra, além de um pai e
seu filho (sete ou oito anos) à paisana. A certa altura o garoto perguntou ao
pai se Fred jogaria, deixando claro que o destino de ambos também era o
Pacaembu e para qual time torciam.

Na
estação seguinte, Sacomã, entraram mais uns trinta bem-vestidos. O menino
sussurrou: “Mas só tem Flamengo?” O pai deu de ombros e fez um muxoxo, como se
resmungasse um conformado “o que é que eu posso fazer?”.
As
estações se sucediam – Alto do Ipiranga, Santos-Imigrantes, Chácara Klabin, Ana
Rosa, Paraíso – e a situação se repetia. O filho apenas arregalava os olhos e
mirava o pai, que sorria sem jeito e com o canto da boca. Mais tarde, já no
Pacaembu, a impressão trazida a cada parada do metrô se reforçava: das 30.188 pessoas
presentes, a torcida do Fluminense deve ter contribuído com os tais 188.
Um dos
testemunhos do documentário FlaxFlu – 40 Minutos Antes do Nada é dado por Sacha
Rodrigues, que sabiamente ignorou a preferência clubística do avô Nelson e
seguiu a do tio-avô Mario. Com a voz em off, o diretor do filme, Renato Terra,
pergunta ao apaixonado flamenguista Sacha se tem alguma coisa na torcida do
Fluminense que o irrita. Resposta: a falta de gente.
Quando
saltei na estação Clínicas e iniciei a descida rumo ao vale que abriga o lindo
estádio – que absurdo não ter havido jogos da Copa do Mundo ali –, me senti em
casa. Motoqueiros e motoristas buzinavam saudando aquelas tantas gentes que
trajavam vermelho e preto, camelôs faziam a féria vendendo falsos mantos aos
desavisados, céu claro, sol forte. A cidade era uma festa, a praça Charles
Miller era uma festa, o estádio era uma festa. Pena que esqueceram de convidar
o futebol.
Entretanto,
e seguindo a linha do post “Para alguma coisa há de servir”, foi possível tirar
conclusões.
Primeira:
embora tendo marcado um ex-centroavante e um pesado Diego Souza que engana cada
vez menos, Juan demonstrou impulsão, tempo de bola, seriedade, e ainda deu um
jeito de perseguir o ligeirinho Osvaldo lá no outro lado da área, cobrindo duas
bobeadas do setor direito da zaga em cobranças de lateral. Se formos sensatos o
suficiente para livrar Juan dos inúteis jogos do carioqueta e das fases
iniciais da Copa do Brasil – isto, se conseguirmos dobrar o pujante Confiança
–, Juan poderá ajudar bastante na temporada.
Segunda:
quando Mancuello voltar, Muricy terá que abrir mão da ideia de escalar dois
atacantes abertos. Cirino parece intimidado e não vem funcionando. Emerson
também não, mas ao menos se movimenta e dá a cara a tapa.
A
terceira e mais importante: com exceção dos escanteios e de algumas tentativas
precipitadas de Emerson, nosso time não rifou a bola para a área. Corrigindo e
mudando o tempo do verbo, pois isso não aconteceu apenas no último domingo:
nosso time não rifa a bola para a área, o que talvez seja o componente mais
marcante e surpreendente do renovado e barcelônico Muricy. Claro: de nada
adianta manter a bola no chão, tocar pra lá e pra cá, e não dar sequer um chute
decente a gol. Mas evitar as bolas levantadas a esmo para a área adversária é
um considerável avanço, tanto para o time quanto para o treinador.
Inserido
nessa nossa inesgotável pré-temporada – sim, temos a pré-temporada mais longa
do futebol mundial –, o histórico FlaxFlu no Pacaembu deixou a torcida do
Flamengo com sensações distintas. Se com alguma boa vontade dá para acreditar
que aos poucos o time vai se acertando, também somos obrigados a reconhecer que
está demorando demais para a coisa engrenar.
Jorge
Murtinho

MAIS LIDOS

Segundo Fábio Sormani, Flamengo usou de “laranja” para se beneficiar

Na tarde desta segunda-feira, o grande e responsável jornalista Fábio Sormani soltou mais uma daqueles declarações complicadas de se ingerir numa rede de televisão....

Presidente do Sport admite interesse em contratar atacante do Flamengo

O Flamengo possui uma das bases mais qualificados do futebol sul-americano. O Rubro-negro se acostumou a fazer grandes negócios com o mercado da Europa,...

O Brasil é de fato, a terra da hipocrisia

Toda a polemica envolvendo a partida do Flamengo domingo, diante do Palmeiras, mostra além da forma como cada dirigente só pensa em seu umbigo,...

Del Valle com novos casos de covid; Flamengo faz novos exames

Não é apenas o Flamengo que vive momento complicado devido a um surto de covid. O próximo adversário do rubro-negro, Independiente Del Valle, anunciou...