Zé Ricardo, do Flamengo, trata Márcio Araújo como um Toni Kroos.

Zé Ricardo, treinador do Flamengo, sorrindo – Foto: Gilvan de Souza

UOL: O
momento de maior pressão passou, mas Zé Ricardo ainda sente os efeitos da
eliminação na Libertadores e da cobrança por títulos no Flamengo. O comandante
revelou que quase pediu demissão do Rubro-negro após a derrota para o Sport por
2 a 0, dia 7 de junho, pelo Campeonato Brasileiro. Depois, o time ainda empatou
com o Avaí por 1 a 1, o que causou uma absoluta turbulência no departamento de
futebol.

“Eu
não sei se cheguei ao ponto 100, mas cheguei perto. Porque a gente estava
fazendo um esforço grande para sair do momento ruim e, mesmo assim, estava com
dificuldade. E comecei a pensar se era culpa minha. Mas o pedido de demissão é
uma derrota pessoal muito grande. Eu me coloquei numa situação de meu filho me
perguntar por que eu desisti. O que eu iria falar para ele, quando ele
crescesse, para explicar? Refleti com minha esposa e não tomei a decisão.
Confesso que a pressão foi muito grande, mas entendi que era uma questão de
provar a mim mesmo que era capaz de seguir”, disse em entrevista ao Jornal
O Globo.
“A
derrota para o Sport teve uma repercussão muito ruim, uma insatisfação da
torcida. E eu respeito muito a torcida. Talvez a palavra certa nem fosse pedir
demissão, seria fazer um acordo com a diretoria para encerrar o trabalho. O
clube me deu respaldo, a direção sempre foi honesta. A maior cobrança era
minha. Eu estava tentando arrumar forças para continuar”, completou.
Desde
a eliminação na Libertadores, Zé Ricardo passou a ser questionado no clube,
principalmente por integrantes da administração e conselheiros. A pressão foi
amenizada pelos últimos resultados. Na mesma entrevista, o comandante saiu mais
uma vez em defesa do contestado Márcio Araújo por conta das críticas de que o
volante prejudica a saída de bola.
“Ele
é importantíssimo para o grupo, um modelo de atleta e tem evoluído. Contra o
Santos, foi exemplar ao lado do Cuéllar. Temos cobrado para que não faça só
passes curtos. Ele tem uma leitura de jogo após a perda de bola do time que
poucos têm. Temos jogadores talentosíssimos como Guerrero e Diego, com certa
dificuldade para marcar e o Márcio compensa isso de forma muito eficiente.
Primeiro, conversei com ele para ousar, arriscar. Naquela posição é necessário
tentar mais. E durante três ou quatro meses ele fez complementos de treinos,
com visão mais profunda do jogo, infiltração”, encerrou.
Nesta
sexta-feira (30), o meia Everton concedeu coletiva no CT Ninho do Urubu e falou
sobre o caso. Ele observou o técnico Zé Ricardo abalado no período.
“É
difícil falar sobre isso, porque foi um momento triste. Passamos dez dias ruins
e víamos que ele estava abalado. Mas é um grande treinador, a página já virou
agora. Esperamos que ele dê a volta por cima”.
Por: FlaHoje

MAIS LIDOS

Balbuena é especulado no Fla; veja os seus melhores momentos na Europa

O Flamengo está melhorando o seu desempenho desde da saída do técnico Dome Torrent. Entretanto, um dos pontos que ainda precisa melhorar é o...

Rodrigo Caio trabalha com bola e anima Rubro-negros

O Flamengo vive um dos piores momentos defensivamente falando. Desde da saída de Pablo Mari para o Arsenal, o Rubro-negro não consegue encontrar um...

Thiago Silva manda recado para jogador do Flamengo

Não é todo dia que um dos zagueiros mais respeitados do mundo, Thiago Silva, manda uma mensagem para um jovem promissor jogador. O zagueiro...

O mundo dá voltas: Veja onde vai jogar Gabriel, ex-Flamengo

Por conta do trabalho da diretoria, o Flamengo melhorou a sua gestão financeira e se tornou o time mais rico do Brasil. Porém, o...